Thursday, December 31, 2009

Bom Ano 2009




Ken Shimizu | AFP



«Com dia teço a noite,
Com noite escrevo o dia...
Ó Universo, eu sou-te!»
(Sombra de luz na bruma fria,
Que é este archote?
Que mão o tem e o guia?)
«Não me chamo o meu nome...
Sou de ti, mundo-não,
Ser mente em ti eu sou-me!»
(De quem esta voz-clarão?
D’O que tem por cognome
O ser da imensidão)



Fernando Pessoa, Com Dia teço a Noite
08.02.1913



In Poesia 1902-1917, Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005

 


O tempo é de alegria, mas a brisa traz-me melancolia. Parti em busca de Fernando Pessoa, e da literatura arturiana, desta vez na voz tão 'céltica' apesar de canadense, de Loreena Mckennit, no magnífico poema Lady of Shalott.

Bom Ano para os que me apoiam com seu carinho!
Possa 2010 trazer mais igualdade para todos, num inadiado direito à universalidade!


Miosótis (pseudónimo)´

fragmentos da noite com flores
31.12.2009


Copyright ©2009-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®

Licença Creative Commons


Tuesday, December 22, 2009

Noite de Paz




Conselho de Arcanjos
Bulgária - séc. XIV



Pelas aves que voam no olhar de uma criança,
Pela limpeza do vento, pelos actos de pureza, 
Pela alegria, pelo vinho, pela música, pela dança,
Pela branda melodia do rumor dos regatos,
Pelo fulgor do estio, pelo azul do claro dia, 
Pelas flores que esmaltam os campos, pelo sossego, 
dos pastos. 
Pela exactidão das rosas, pela Sabedoria, 
Pelas pérolas que gotejam dos olhos dos amantes, 
Pelos prodígios que são verdadeiros nos sonhos, 
Pelo amor, pela liberdade, pelas coisas radiantes,
Pelos aromas maduros de suaves outonos, 
Pela futura manhã dos grandes transparentes, 
Pelas entranhas maternas e fecundas da terra,
Pelas lágrimas das mães a quem nuvens sangrentas
Arrebatam os filhos para a torpeza da guerra,
Eu te conjuro ó paz, eu te invoco ó benigna, 
Ó Santa, ó talismã contra a indústria feroz,
Com tuas mãos que abatem as bandeiras da ira,
Com o teu esconjuro da bomba e do algoz, 
Abre as portas da História,
deixa passar a Vida!

Natália Correia, Ode à Paz
O Sol nas Noites e o Luar nos Dias, II
ProJornal, 1993


Votos de Sereno Natal!


 Miosótis (pseudónimo)

fragmentos da noite com flores, Kate Melua, Have yourself a merry little Chrstimas

22.12.2009

Copyright ©2010-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®


Thursday, December 17, 2009

Em noite de ventania!





AFP/DDP/Sascha Schuermann

A noite apresenta-se fria, o vento passeia-se agressivo em volta da janela, como prenúncio de um madrugada tempestuosa.


Olhando as luzes trémulas, melancólicas, dispostas em cascata, cerro a persiana, preparo-me para adormecer, sobressaltada pelo vai-e-vem insistente das rajadas inquietas que não desistem de atormentar minha janela.

Prepara-se um despertar constante e sobressaltado, vezes sem conta! O silêncio que tanto aprecio fez-se ausente e uma  cacafónica melopeia põe-se num recanto da minha cidade.

Abro um livro, sempre por perto, e meu olhar indeciso percorre algumas linhas da leitura que escolhi para  puxar o aconchego do sono.
 
Um dia do mês de Dezembro já próximo do Natal...

Haruki Murakami, A Sul da Fronteira, a Oeste do Sol
Casa da Letras, Março 2009, 1ª edição

Os olhos vão-se semicerrando.  Percorro jardins de infância de ternos aconchegos. Aspiro profundamente a brisa dos afectos aromatizados na preparação das noites de Natal, lá em casa.

Desligo o portátil, aconchego-me, oiço Caetano e adormeço.

Boa noite!

Miosótis (pseudónimo)

fragmentos da noite com flores
16.12.09


Copyright ©2010-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®
Licença Creative Commons




Saturday, December 05, 2009

A luz do sol entra pela floresta




Fotolog JQuental


E porque tenho andado em volta de Pessoa, fujo ao inverno tormentoso que me persegue, num dia-a-dia soturno, brumoso, pardacento.


Crio então em mim um cenário imaginário e aí busco refúgio na beleza do instante!


Os singelos pequenos nadas que fazem dos nossos sentidos uma plêiade de fragrâncias, luminosidades coruscantes, serenas paisagens.


A luz do sol entra pela floresta,
Uma sombra de vento passa e esquece
E o filósofo mudo a encosta desce
Do ensombrado monte
Ora a luz toca-o, como a uma fonte
Ora a folhagem fecha o horizonte


Paz que há nos campos soergue a folha verde
Comoção imprecisa que se perde
E não teve razão,
Como vós a angústia se ergue em medos
E falece no peito o coração

Fernando Pessoa, A luz do sol entra pela floresta
In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006 Casa Fernando Pessoa



Miosótis (pseudónimo)

fragmentos da noite
Norah Jones, My Blueberry Nights
 
05.12.09

Copyright ©2010-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®
Licença Creative Commons

Tuesday, December 01, 2009

Fragmentos em silêncio




Align Center
www.digitalphoto.pl

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Florbela Espanca, Eu


Mulher denunciou maus-tratos e foi abatida a tiro de caçadeira dentro de uma ambulância.
JN

... poucos dias após o Dia Internacional para a Eliminação de Todas as Formas de Violência Contra as Mulheres...

A visitar
Violência Zero


Miosótis (pseudónimo)


fragmentos da noite, uma flor para Maria Manuela, 35 anos.

30.11.2009


 Copyright ©2009-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com