Saturday, December 05, 2009

A luz do sol entra pela floresta




Fotolog JQuental


E porque tenho andado em volta de Pessoa, fujo ao inverno tormentoso que me persegue, num dia-a-dia soturno, brumoso, pardacento.


Crio então em mim um cenário imaginário e aí busco refúgio na beleza do instante!


Os singelos pequenos nadas que fazem dos nossos sentidos uma plêiade de fragrâncias, luminosidades coruscantes, serenas paisagens.


A luz do sol entra pela floresta,
Uma sombra de vento passa e esquece
E o filósofo mudo a encosta desce
Do ensombrado monte
Ora a luz toca-o, como a uma fonte
Ora a folhagem fecha o horizonte


Paz que há nos campos soergue a folha verde
Comoção imprecisa que se perde
E não teve razão,
Como vós a angústia se ergue em medos
E falece no peito o coração

Fernando Pessoa, A luz do sol entra pela floresta
In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006 Casa Fernando Pessoa



Miosótis (pseudónimo)

fragmentos da noite
Norah Jones, My Blueberry Nights
 
05.12.09

Copyright ©2010-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®
Licença Creative Commons

12 comments:

Virgínia do Carmo said...

Suponho que o inverno é muitas vezes um frio que contagia a alma e paraliza os sentidos... um sintoma que se espalha aos olhos e aos sorrisos... É bom saber que as palavras são uma espécie de antídoto da tristeza...

Deixo um beijinho e um sorriso de gratidão emanado do meu "lugar dos sentidos"...

heretico said...

"Ora a luz toca-o, como a uma fonte
Ora a folhagem fecha o horizonte"

assim. a humana grandeza dos poetas.

beijos

Miosotis said...

O inverno é 'um frio que me contagia a alma e paraliza os sentidos...' sim, 'Virgínia'!

Felizmente que existe a literatura e a música para não fazer morrer o sorriso!

Um beijo,
Sensibilizada pelo teu olhar em 'fragmentos'.

Miosotis said...

... admirando Vasco Graça Moura, não consigo entender como é um anti-pessoano...

Pessoa é, tal como escreves, 'a humana grandeza de um poeta'!

Um beijo, Herético!

Isamar said...

E não há melhor refúgio que o da poesia para atenuar maleitas físicas ou da alma.

Bem-hajas!

Beijinhos

Mar Arável said...

Não prescindo de todos os ciclos

do tempo

para melhor apreciar cada um

por igual

bj

DarkViolet said...

Os poetas dão sempre galhos de reencontro com as palavras e a natureza, inquietação humana nos raios de luz

Miosotis said...

Confesso que não me fico pela poesia! Adoro a prosa, também!
Já para não falar de música, 'Isamar'!
Complementam-se e dão-nos um 'refúgio' muito intimista.

Sensibilizada, como sempre!
Um beijo,

Miosotis said...

... quase me atreveria a dar-te razão, 'Mar Arável', não fora o desconforto infindo que o inverno me traz à alma...

Mas, será que algo se pode apreciar por igual?!

Um beijo,

Miosotis said...

Os poetas... os compositores... dão-nos quase tudo para reencontro nesta nossa inquietação humana, Dark_!
Quanto tempo!! Foi muito bom reler-te em fragmentos!

... tu que adoras os pingos da chuva ;)

Å®t Øf £övë said...

Miosotis,
Ao som de Lhasa de Sela, deixo-te um forte abraço.

Miosotis said...

... o que para alguns quase não tem importância, para outros são intensos pedaços d'alma...

Profundamente grata pelo carinho!
A dor soma-se aos dias :(
Um beijo afectuoso