Sunday, September 17, 2017

Um dia de domingo em Setembro






E voltou Setembro. Despeço-me com tristeza do verão. A minha estação favorita. Não aprecio o Outono, apesar das tonalidades lindas que nos traz. 

As manhãs estão muito mais frescas, embora o solinho ainda ande por aqui. As noites já pedem um agasalho.

De manhã, acordei com a ideia de dar um passeio, mas ao sair para a varanda, um arrepio me percorreu. Que frio! Nem pensar em tomar pequeno almoço na varanda, como me habituara.

Voltei para dentro. Preparei alguma fruta. E fiz então uma curta prática de Ashtanga yoga.

Sinto-me bem logo pela manhã a praticar yoga. Aproximo-me da janela. Abro-a. Respiro profundamente. Inspiro, expiro com lentidão. Fecho os olhos, deixo o pensamento passar sem o deter. Até que ele quase se esfuma.

Medito um pouco, conecto-me comigo, com a minha respiração. Então numa das dessas inspirações, dei comigo a ter consciência da enorme gratidão pelo momento.

Gratidão por poder respirar. Gratidão por ter saúde. Gratidão por poder observar as manhãs. 

Gratidão, por ver o sol no céu dando inicio a mais um dia. Dando inicio a mais uma oportunidade de Ser.  

Gratidão por ter Tempo. Gratidão por poder sentir o calor do sol, mesmo que mais ténue. Gratidão por poder observar as gaivotas que definitivamente vêm fazer seus ninhos na cidade, nos nossos telhados. Os pássaros voltam ao entardecer. E â noite ouvem-se entre o arvoredo.

Ao longo dos dois últimos meses assisti ao nascer, crescer, aprender a voar de duas crias de gaivota. Um casal de gaivotas veio aqui poisar seu ninho. Os filhotes ganharam asas para a liberdade, mesmo em frente aos meus olhos. Gratidão por ver. Eram o meu bom dia! 

Até que quase no final de Agosto, tomaram o rumo da liberdade. Fiquei grata por elas.

E depois sim. Preparei pequeno almoço, primeiro ritual, fruta. Enquanto se prepara a máquina para um bom café. Bom, o aroma do café que perdura. 

Sentei-me a degustar o meu pequeno almoço. Enquanto isso, fui passando os olhos por algumas redes sociais. Ler notícias do dia. E visitar alguns amigos virtuais ou não. Fiz zapping por alguns instantes.

E andei por aí. Agora no final de tarde, com o sol a entrar pela janela virada para o arvoredo que persiste e bem, reflicto.

Por vezes, queremos muito algo, ficamos presos a isso. E não nos apercebemos que a vida nos traz muitas outras coisas. Aprendi isso e cada vez mais, nestes últimos dois anos. 

A perda de familiares, de amigos, em circunstâncias dolorosas me fizeram tomar a vida de outro jeito.

A alegria de encontrar um grupo de prática de Ashtanga yoga ao ar livre num jardim público, onde reinava a serenidade e o arvoredo entre pássaros e pavões, trouxe-me a cura energética que parecisava, depois daquele triste acontecimento de Julho

Fiquei grata ao grupo, à oportunidade que me foi dada de o encontrar, de partilhar momentos de muita serenidade, bem estar, paz.

Se confiarmos no Universo, as coisas que se cruzam no nosso caminho, são sempre melhores do que pensámos! 

Aceito as leis do Universo. Aceito que existe um plano maior para nós. E deixo fluir a Vida e o que ela te traz no momento.

"A vida não está por ordem alfabética como há quem julgue. Surge... ora aqui, ora ali, como muito bem entende, são miga­lhas, o problema depois é juntá-las, é esse montinho de areia, e este grão que grão sustém?"

António Tabuchi, Tristano Muore, 2004

Miosótis (pseudónimo)

16.09-2017
Copyright ©2017-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®

6 comments:

Suzete Brainer said...

A vida é uma dança com repertório amplo de melodias. Mas, cada um no seu
ritmo próprio, com as suas escolhas. Precisamos sentir a nossa música
interior e nossas necessidades. Todos nós passamos por momentos delicados
e dolorosos. Acredito e lhe acompanho neste ritual da gratidão pelas
partículas luminosas e dançarinas da mandala da vida!...
Como diz na minha terrinha Recife:
"gosto muito de ocê!"
E adoro voar aqui nesta sintonia de sentires poéticos e humanos...
Faça sempre Yoga e respire esta poesia dos seus gestos, minha querida!
Beijinhos.
Ps: Adoro o seu voo no meu espaço e colher as suas palavras valorosas...
Grata, viu!

Jaime Portela said...

Gostei muito do teu texto. É delicioso.
Gosto mais da primavera do que do outono.
Mas o inverno é bem pior...
Bom fim de semana, querida amiga.
Beijo.

Mariazita said...

Este texto é uma delícia, um verdadeiro hino à vida.
Como dizia Eugénio de Andrade, de quem tanto gosto:
"Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos"
E por procedermos assim não admiramos todas as dádivas que nos são oferecidas pela Natureza, assim, "de mão beijada", sem nada exigir em troca...
Temos tantos motivos para nos sentirmos gratos!!!

ADORO o Verão. Detesto o Inverno.

Estive de férias cerca de dois meses, mas já regressei. Dentro de poucos dias publicarei o meu segundo post pós férias.

Continuação de boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Lune Fragmentos da noite com flores said...

Olá Suzete,

Muito me sensibilizaram as tuas palavras!

A vida é um constante movimento dividido entre acontecimentos bons... e muito dolorosos.
Mas, quando olho em volta, sinto que devo semtir-me feliz pela vida que desfruto. Daí este meu texto.

Eu também 'gosto muito de ocê' - mútuo portanto, o sentimento :-)

Eu confesso, 'mea culpa'. Tenho sido muito pouca assídua por aqui e pelos sítios dos amigos, que apesar de tudo, não desistem de mim! Grata, muito grata. A ti e a todos amigos.

Boa semana! Luminosa, doce!
Beijinhos,

Lune Fragmentos da noite com flores said...

Mas que bom, Jaime! Escrito com a alma.

Também eu, Primavera desperta-me, seduz-me. Outono, fecha-me na melancolia.
E Inverno? Terrível! Embora este ano, ainda não se tenha feito sentir, a não ser nas primeiras noite frias. E manhãs :-)

Boa semana, querido amigo.
Beijo.

Lune Fragmentos da noite com flores said...

Obrigada, querida Mariazita. Como já afirmei, em resposta a comentário anterior, texto escrito com a alma.

Gosto muito da poesia de Eugénio de Andrade. Como pessoa, não. Complexo.

Mas sim, conheço estes v.v. e no texto faço alusão ao olhar atento com que passei a ver a vida. Tudo que me rodeia, fui sempre muito atenta, acredita.

Sem dúvida, temos todos os motivos para nos sentirmos 'abençoados' pela vida que nos é concedida.

Adoro, Primavera. Verão ainda mais, pelo mar, pela praia. E Inverno, costuma ser tormento. Não me parece que o possa ser este ano...

Espero que as férias tenham sido excelentes!

Faz muito tempo que não visito sítios de amigos. Tento recomeçar...

Boa semana!
Beijinhos