Friday, August 29, 2008

em Agosto... uma mulher!





Helena Abreu (aguarela)


Mas que queremos da vida? É a vida? O


que se procura em cada segundo para se perder

em cada segundo? O tempo, assim, de nada
nos serve. Um dia, dando por nós próprios,

perguntamo-nos o que fizemos, por onde

andámos, que cidades e casas percorremos,

sem que uma resposta nos satisfaça. A

vida, então, limita-se a ser o que fez

de nós, sem que o tenhamos desejado, e

nada pode ser feito para voltar atrás, nem

para restituir os passos trocados de

direcção, as frases evitadas no último

extremo, o olhar que se desviu quandonão devia. Ah, sim - e o amor? É isso

que queremos da vida? É verdade...


Nuno Júdice
, Filosofia, 2001




Cueillons les douceurs, nous n'avons à nous que le temps de notre vie.

(proverbe perse)



Miosótis (pseudónimo)


fragmentos em dia chuvoso que me rouba o sorriso. Olhar longínquo, um singelo ramo de rosas amarelas poisado graciosamente, a prece elevada para que mil résteas de luar possam guiar meu ser. Ouvindo Keith Jarrett

30.08.2008

Copyright ©2008-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com® 

27 comments:

Maria said...

Só o final de tarde esteve acinzentado. Mas sabe bem ler Nuno Júdice em qualquer altura...
... bonitas, as tuas rosas amarelas...

Um beijo

Multiolhares said...

Talvez só o amor faça sentido para a vida ser vivida

beijo

mariavento said...

O amor, claro! Sempre ele!
Doce o teu espaço.

heretico said...

colhamos então o dom da vida...
com doçura.

beijos

poetaeusou . . . said...

*
nuno judice
do meu contentamento,
,
conchinhas,
.
*

Twlwyth said...

Existe amor num ramo de flores amarelas.

Beijo terno

Melita said...

Queremos tão simplesmente viver... só que complicamos até a própria existência ...
Bjito apertado

Marinha de Allegue said...

Vivir � toda unha riqueza...

Unha aperta
:)

DarkViolet said...

A chuva que cai faz levitar sensações. Ao pingar trás o vento com ela, espalha-se as pétalas

Miosotis said...

... pois por aqui, o dia esteve tal como o descrevi!
Mas Nuno Júdice lê-se com encanto todos os dias, em qualquer lugar ou momento!

Sensibilizada pelo teu olhar em 'fragmentos', Maria!

Um beijo

... sim as rosas eram mesmo lindas! Uma tonalidade que já não via há algum tempo... mas que adoro!

Miosotis said...

... os poetas assim dizem, 'multiolhares'... mas suponho que apenas põem em palavras mais sensíveis, o 'sonho' de todos nós!


Sensibilizada pelo teu olhar em 'fragmentos'!

Um beijo,

Miosotis said...

... claro, sempre o amor, 'mariavento'!

Sensibilizada pelo teu olhar amistoso em 'fragmentos'!

Miosotis said...

... que assim se faça, 'Herético'!
Sem doçura, nada tem 'fragrância'...

Sensibilizada pelo teu 'doce' olhar em 'fragmentos'!
Um beijo

Miosotis said...

... também do meu, 'poetaeusou'!
Gostos comuns, portanto!

Sensibilizada pelo olhar em 'fragmentos'!

Aromas de maresia...

Miosotis said...

... existe sim, 'Twlwyth'! As rosas amarelas têm uma tonalidade quente, um aroma doce, não ferem... acolhem!

Sensibilizada pelo teu olhar afectuoso em 'fragmentos'!
Um beijo bem amistoso

Miosotis said...

... penso que falas na generalidade, 'Melita'!
Em parte terás razão!

Tudo que é simples, o ser humano torna difícil e então complica e destrói, tantas vezes...

Sensibilizada pelo teu olhar 'fragmentos'!
Um beijo

Miosotis said...

... vivir sensible, con alegria y placer para compartir sentimientos dulces!

Gracias, 'marinha' por tu visita!
Abrazos

Miosotis said...

Há dias que os salpicos trazem sensações agradáveis,'Dark_' mas... nem sempre 'o vento espalha pétalas' que transmitam aromas...

Sensibilizada pelo teu olhar em 'fragmentos', divagante de poesia!

Paradoxos said...

voltei da minha ausência!!

abraços fraternais :-)

(a) said...
This comment has been removed by the author.
(a) said...

" Pensado, enredando sombras en la profunda soledad.
Tú también estás lejos, ah más lejos que nadie.
Pensando, soltando pájaros, desvaneciendo imágenes,
enterrando lámparas.

Campanario de brumas, qué lejos, allá arriba!
Ahogando lamentos, moliendo esperanzas sombrías,
molinero taciturno,
se te viene de bruces la noche, lejos de la ciudad.

Tu presencia es ajena, extraña a mí como una cosa.
Pienso, camino largamente, mi vida antes de ti.
Mi vida antes de nadie, mi ápera vida..."

Pensando, enredando sombras... - Pablo Neruda

Assim me despeço...
Com um sentido beijo.

Alfazema Azul said...

Um belo poema de um algarvio que muito admiro.

Beijinhos

Miosotis said...

bem-vindo de novo a 'fragmentos', Edu!

Abraço amistoso

Miosotis said...

... como sempre, um poema belíssimo, 'a'!

Sensibilizada pela tua 'permanência' amistosa ao longo dos anos!

Até sempre...
Um beijo
Y.

Miosotis said...

... para mim, um dos poetas maiores da contemporânea literatura portuguesa, 'alfazema'!

Um beijo

Mateso said...

O amor não somos nós?
Bj.

Miosotis said...

:)

Um beijo afectuoso, 'Mateso', pela tua cumplicidade