Sunday, February 22, 2009

Voltar a escrever...




taste
Yoshiko314


Uma leve brisa,

bastante para levar

perfume de flores
 
Inahata Teiko (1931)

Haiku séculos XII a XX
Japão no Feminino II


Voltar... sim voltar a escrever! Não é fácil! Depois de um silêncio que ainda não se desfez! Um silêncio que se entrincheira em nós, lento, moroso, tranquilo.

Então por que escrever?! Algo nos impele? Alguém nos lê? Um ser nos pressente? Não! Apenas nós!


Então deixo poisar minhas mãos, num gesto abandonado sobre a mesa, e olho longe na paisagem!

Questiono-me... que importância terá para a vida de alguém que uma alma simples, sem pretensão, deixe de escrever?! Nada se passará! Ninguém sentirá sua ausência.

Talvez mesmo deixar de escrever... voltar ao silêncio sem cuidados de soltar meus murmúrios, aspergindo meus sentires nos tons nocturnos da essência da música.
 
 





Miosótis (pseudónimo)

fragmentos da noite com flores em esparsos pensamentos


22.02.2009

Copyright ©2009-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®

Licença Creative Commons

26 comments:

Vasco Matos said...

Pois eu já me perguntava pelas flores azuis. E leio. E gosto. E volto.

Miosotis said...

... fugidias as 'flores azuis'... embora muito gratas pelas palavras!

José Miguel Gomes said...

Porque, por vezes, mesmo sem o sabermos, as palavras que alguém semeia, crescem e dão frutos longe, bem longo do nosso olhar.

Fica bem,
Miguel

irineu xavier cotrim said...

mesmo não escrevendo - estamoslidando com as palavras - quando o nosso destino é escrever

heretico said...

outros seres te "pressentem", sem dúvida. na magia da tua escrita.

como voo de aves. riscando o fim da tarde...

beijo

poetaeusou . . . said...

*
os silêncios são palavras
que importa se são lidos,
os gestos são nossos
o que escrevemos
é de quem os lê,
porque eles vão sentir
conforme o seu estado de alma
e a controvérsia nasce,
no perfume da mensagem,
nunca . . . em nós,
,
conchinhas
,
*

O Sal da nossa pele said...

Vou de vento nobre e vim aqui parar, aproveito para matar a sede, deixo um abraço...

david santos said...

É sempre bom, ainda que nem sempre tenhamos disposição para tal, deixar as nossas mãos levar os dedos até ao papel para escrever algo que nos ocorra.
Escrever também é viver. Aliás, sempre que o nosso espírito esteja em movimento, de uma forma ou outra, vive-se.
Parabéns!!!

David Santos

Daniel Aladiah said...

Querida Miosótis
Voltar a escrever serve para que sintamos a falta que faz não o fazeres, pois é o traço que nos liga... parar é deixar que as linhas nunca se encontrem, não sabendo que existem e estão a ser traçadas.
Um beijo
Daniel

em azul said...

As almas simples dizem com a verddae nos lábios e na ponta dos dedos... fazem-nos falta.
E o aroma das tuas flores chega-nos na brisa... quando escreves.

Um beijo
em azul

Miosotis said...

Se esse fosse o poder de minhas palavras... Sensibilizada pela amizade, Miguel!

Uma boa e luminosa semana!

Miosotis said...

Isso é verdade, Irineu! Elas, as palavras não saem de nossa cabeça. Mudas, surdas, soltas...

Sensibilizada!

Miosotis said...

Gostei muito do teu 'riscando o fim de tarde...' - esse o momento suave, no tempo que percorre meus dias, quando volta a luminosa Primavera e se aproxima exuberante e quente o Verão!

Tivesse magia a minha escrita e eu voaria bem mais suavemente...

Sensibilizada pelo carinho!
Um beijo

... outros seres, 'Herético'...

Miosotis said...

... concordo com muito do que escreveste em teus versos 'poeta'!
Sensibilizada!

maresias soltas,

Miosotis said...

Sensibilizada pelo abraço 'sal da nossa pele'!

Miosotis said...

... sem dúvida,'David Santos'!

Mas, por vezes, as nossas mãos poisam-se e o pensamento solitário corre neste infinito azul...

Foi bom revê-lo em 'fragmentos'! Sensibilizada!

Miosotis said...

Voltar a escrever... não sei se me encontro! Se me agarro às palavras e as solto na paisagem.

É que eu ando muda neste emaranhado de momentos...

Sempre sensível, querido Daniel!
Um beijo,

Miosotis said...

Só almas singelas captam a verdade que sussurrados lábios aprisionam...

Sensibilizada pelo ouvido atento às minhas esparsas palavras, 'em azul'!

Um beijo

irineu xavier cotrim said...

sempre palavras.e vinda de miosotis; doces. obrigado por te-las destilado no meu blog.

Nilson Barcelli said...

Há sempre argumentos muito bons para deixar de escrever e para continuar.
O teu estado de espírito é que manda...
Mas digo-te: não preciso do teu blogue para nada, mas gosto de te ler e sentir-te nele. E acho que se te esforçares por escrever coisas lindas, ainda que vistas uma pele diferente da tua, vais receber muitos beijinhos, aplausos e outras meiguices. Alguns até serão falsos, mas o teu ego também precisa destas ninharias... destas e doutras... porque há muito que aprendemos que encher o ego com coisas grandes só quase por milagra... pois quase nunca acontecem coisas grandes que nos encham a alma... por isso querida amiga, arregaça lá as mangas e vai escrevendo alguma coisa.
Bem, este comentário grande quer dizer alguma coisa... tenho muita estima por ti, gosto de ti. Não queria dizê-lo, mas disse. Pronto. Afinal já nos conhecemos, ainda que mal, há anos, que parecem séculos...
Beijo.

Oliver Pickwick said...

A prioridade um é atender aos nossos anseios, o qual, sempre encontrará sintonia em outros. Ninguém é uma ilha.
Bom vê-la de novo.
Um beijo!

P.S.: Excelente banda, no clipe. O smooth jazz é um dos meus estilos favoritos dentre as muitas vertentes deste ritmo.

DarkViolet said...

Julgo que a escrita e o silêncio podem perfeitamente coabitar. Há outras forças que no meio não deixam que a máquina seja posta em funcionamento. quando se gosta, não se pode viver afastado, e assim funciona também com ea escrita

Miosotis said...

Sensibilizada, 'Irineu'por estar de volta a 'fragmentos'!

Miosotis said...

Há sempre, sim 'Nilson', quer para o acto de escrita, quer para o gesto de silêncio! Tantos argumentos que o nosso estado de espírito comanda...

Não o faço para receber expressões de carinho, embora essas me sensibilizem! Faço-o por necessidade absoluta de meu ser, na ausência e/ou na presença da palavra!

Verdade! Quantos anos nos cruzamos neste mundo 'virtual'... parecem 'séculos, talvez!

Sei que vens até aqui pela amizade, não pela importância do que escrevo! Que importância simples fragmentos?!

Quanto às 'coisas' grandes ou pequenas que nos podem encher a alma, essas permanecem infinitamente...

Um beijo

Miosotis said...

Concordo, 'Pick_'... ninguém é uma ilha! Mas quase todos somos 'uma ilha'...
Parece um paradoxo, mas sabes bem que não é!

Quanto a 'sintonias' entre seres, ela é fundamental para a 'sobrevivência' da interioridade!
Por vezes. também presentimos a alquimia, mas tão poucas vezes...

Bom vê-lo de novo em 'fragmentos'! Retribuo!

Um beijo!

P.S. Vê a sintonia a funcionar? Eu adoro o 'smooth jazz'!! Não só, é claro, mas é um dos géneros musicais que oiço!
Ainda bem que 'reparaste' na música :)

Miosotis said...

É isso mesmo, 'Dark_'... 'a escrita e o silêncio podem perfeitamente coabitar...'!

As outras 'forças'... são tantas!

Sensibilizada pelo teu 're'olhar em 'fragmentos'!