Monday, February 11, 2008

Tempos e silêncios






René Magritte, Tempête



René Magritte, montage
www.google.com/


"O dia não quebrava os sonhos, podia-se dormir de olhos abertos, e a vida gozoza e fácil como o jogo e o sonho. Podiam-se abrir os braços e gritar: Eu vivo..." 


Teolinda Gersão, A Árvore das Palavras, 1997


Há algum tempo que escrevo pouco, muito pouco sobre o que sinto ou penso!

Deixo pequenos retalhos de coisas minhas - falo das leituras, algumas vezes das músicas - e neles passam muito dos meus anseios, sentires! Mas, soltar meu pensamento tem-me sido teimosamente difícil!

Motivo aparente?! Alguns, bem sei! Fortes, tremendos!

Tenho dificuldade de expressar em palavras soltas, na brisa da noite, aquelas pequenas coisas, por vezes doces, outras vezes áridas, que me transportavam, acalentavam ou angustiavam!

Habituara-me aqui a poisar muitos desses fragmentos como quem fala. Em monólogo!

Sei que foi mais um dia de silêncios! E também uma noite de pensamentos cerrados. Lamentos de sonoridades pausadas.

E no entanto, o dia esteve lindo! Lá longe, o sol poente em contraponto com o mar apenas adivinhado pela cor de prata entre nuvens laranja e azul cobalto.


Com o final de tarde a bater nas vidraças luminosas e quentes. Percorri distraidamente o horizonte majestoso, tranquilo, imensamente acolhedor!




"If the dream is a translation of waking life, waking life is also a translation of the dream.”
Rene Magritte

Miosótis (pseudónimo)


fragmentos da noite, som Ryuschi Sakamoto, Energy Flow

11.02.2008

Copyright ©2008-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®


39 comments:

Twlwyth said...

Enquanto se poisam os silêncios, laços invisíveis se vão estreitando. Laços de calor como estes que te vou deixando.

Beijo

O Profeta said...

Sei o que sentes...vivo no mundo das artes, cénicas e plásticas...os nossos silêncios têm murmurios que não são deste mundo...



Doce beijo

As Sombras de Fim do Dia said...

Porque será que deixaste de florir palavras, Mio? O que se passa?

Há alturas de silêncio, há alturas de reclusão, outras em que não sa

Paco said...

maravilla de iamgenes y de música...

Lídia said...

tu blog respira buen busto, y sensibilidad. Felicidades.

José Miguel Gomes said...

É bom ler-te... É mesmo bom.

Fica bem,
Miguel

herético said...

Magritte, que coincidência feliz. um dia(já distante) atrevi-me a um poema sobre um quadro do pintor.

a "intimidade" da tua escrita levou-me a esta "inconfidência" pessoal.

espero que desculpes o despropósito....

Tiago said...

O tempo que passa por nós, passando nós tanto por ele.

um abraço

Ricardo Galvão de Mello said...

Gosto da maneira como te expressas, neste "papel", deixas vir ao de cimo tudo o que tem a cabeça tal como eu...
Gosto como falas da natureza... d´s um toque subtil de sensibilidade as coisas:)

quandto ao teu comentário, não tás errada, mas também nao tás correcta...
era daquela forma em que eu me encontrava, até que a encontrei... e dois ano depois, snto o mesmo e quero mais para o futuro


beijinho e obrigado pelo comment

Amor said...

no es necesario escribir mucho

con que estés ahí, es suficiente

amor

Miosotis said...

Também é verdade, 'Twlwyth'...

Interessante, como és '[quase] a única presença feminina a comentar neste blogue!

Em tempos, houve Cris que desapareceu, até mesmo da blogosfera!
Ou então mudou completamente de 'espaço' [coisa que ela gostava muito de fazer...]

A tua 'amizade' tem-se sido muito presente!

Sensibilizada pelo teu olhar/laço sempre caloroso!

Um beijo

Miosotis said...

Nem sei o que dizer, 'Profeta'... há mesmo silêncios interiores muito 'aprofundados'!

É um mundo 'diferente' o das artes cénicas e plásticas! Um mundo rico em experiências sensitivas!

Sensibilizada pelo teu olhar amistoso!

Um beijo

Miosotis said...

Não sei se deixei de 'florir palavras' [belíssima expressão a tua...], mas que me encontro numa fase 'diferente', sim...

Há alturas...

Sensibilizada pelo teu olhar atento!

Miosotis said...
This comment has been removed by the author.
Miosotis said...

Gracias, Paco, por tu cariño!

Saludos

Miosotis said...

Muchas gracias, Lidia, por tu sensibilidad.

Volverás?

Abrazos

Miosotis said...

É bom ter teu olhar poisado por aqui, Miguel!

Fica bem, também!

Miosotis said...

Um poema tendo como fonte de inspiração uma tela de Magritte, 'Herético'!
Deve ter saído bastante interessante!

Não achei tal 'confidência' um despropósito! Li-a como um facto natural...

Sensibilizada pelo teu olhar em ´fragmentos'!

Miosotis said...

'...passando nós tanto por ele...'- o tempo!

É verdade, Tiago! Quase sempre olhamos sob uma perspectiva diferente - '...O tempo que passa por nós.'

Tempo, noção abstracta de pausas, fragmentos, espaços.


Sensibilizada pelo teu olhar atento em ´fragmentos'!

Um abraço

um abraço

Miosotis said...

É o meu jeito muito próprio de 'tocar' as coisas, Ricardo!

Outros seres o farão, à sua maneira...

Quanto ao meu comentário, não sei muito bem ao que te referes, mas se tu te encontraste em alguém, isso é muito bonito!
Que assim seja!


Sensibilizada pelo teu olhar em ´fragmentos'!

Um beijo

Miosotis said...

Gracias, 'amor' por tu cariño!

Saludos

Pepe Luigi said...

Estou em crer que as pessoas que estão na área das artes têm tendência para o seu próprio interregno. Nesse maravilhoso vácuo estão a gerir os dons do seu talento. E num próximo ciclo surge a obra que normalmente é sempre mais fecunda que a anterior.

Beijinhos
Pepe

Å®t Øf £övë said...

Miosótis,
Como tu bem sabes, eu gosto de silêncios, mas também acho que não devemos reprimir em demasia os nossos sentimentos. Por vezes faz-nos bem exteriorizá-los por muito que nos custe. A verdade é que depois de o fazer nos sentimos melhor.
Bjo.

Nilson Barcelli said...

Não é nada fácil dizer-te o que quer que seja acerca do que falas neste post.

De pouco ou nada servirá, mas deixo-te aqui a minha solidariedade de amigo, ainda que virtual.

E hoje, em vez dos beijinhos, deixo-te um abraço. Sentido.

DarkViolet said...

Acho que uma das vantagens do blog é puder fazer aquilo que não consegues fazer, escrever de sentimentos.
Somente existe duas identidades em confronto: o ecrã e o Eu.
Parece fácil mas muitas vezes existe uma falha: tentar escrever o que os leitores gostam de ler.
Poderá estar a acontecer isso contigo?

Miosotis said...

Penso que todas as pessoas têm 'interregnos' Pepe!

Há momentos que nos 'atravessam' ou se 'cruzam'... e nem sequer nos podemos afastar...

Eu não tenho o talento da escrita... apenas divago!
Sou uma mera aprendiz da linda arte de escrever!

Sensibilizada pelo teu olhar 'fraterno'!

Um beijo

Miosotis said...

Acredito, 'Nilson'... mas fico muito sensibilizada!

... e agradeço sentidamente o teu apoio 'virtual'!

Um abraço 'fraterno'

Miosotis said...

'Art', peço desculpa, mas respondi sem respeitar a ordem! Por distracção ou 'cansaço'... foi mesmo sem querer!

... eu sei do que gostas...
Não reprimo sentimentos.

Sentimentos íntimos, estados d'alma... não interessam a todos [e sabes bem...]

É a nossa privacidade. E na 'nossa' privacidade, só deixamos entrar quem 'nos' sente.Verdade?!

De qualquer modo, muito sensibilizada pelo 'carinho' virtual de anos!

Um beijo

Miosotis said...

'Acho que uma das vantagens do blog é puder fazer aquilo que não consegues fazer, escrever de sentimentos'... penso que raramente expus meus sentimentos intimistas, Dark_!

Expressei sempre ou quase sempre sentimentos/fragmentos sobre o que me rodeia, o que gosto ou o que me desagrada, também...

... o ecrã é sempre a nossa imagem reflectida, penso eu! Digo isto porque sou sincera no que escrevo!
Se outros procuram eu transmitem 'miragens'... esse não é o meu caso!

E por aqui, penso que todos compreendem que raramente falo de mim!

... mas gostei muito de ler a tua opinião, Dark_

Sensibilizada pelo teu olhar atento!

José Miguel Gomes said...

As coisas simples dizem muito, muito mais do que pensamos...

Fica bem,
Miguel

Oliver Pickwick said...

O silêncio a que se refere, é estratégico, ainda que inconsciente. É um repensar de idéias, alterando velhas concepções e adicionando novas. Logo a escrita fluirá com entusiasmo.
De minha parte, nada a reclamar deste post, pois escreveste oportunas reflexões, além de inserir belas imagens e um clip de um ótimo pianista.
Obrigado pela visita lá no condado.
Beijos!

wood said...

O silêncio é essencial à música. A maior parte do universo é silêncio, pois o vento é já um testemunho de movimento. Não sei onde mora a consciência, por que existe a necessidade da escrita, para quê dialogar? Talvez a consciência seja ainda algo mais profundo, um silêncio intangível.

Anonymous said...

São de um invulgar bom gosto as obras que escolheste de Magritte sublinhadas por um texto perfeitamente fabuloso da Teolinda Gersão.Parabéns!
Gostei de sentir o que este conjunto traduz e manter-me-ia silensiosa como costumo fazer não fossem as tuas palavras.
Valendo o que vale, isto que não é um comentário mas tão só o partilhar de sentires meus perante o que escreves,julgo entender o que sentes talvez de uma forma muito próxima...revejo-me no que escreves.
Um abraço solidário
M

Gata Verde said...

Vim ao teu blog porque adoro Miosotis...e descobri um belo cantinho!!

Beijinhos e bom Domingo

Miosotis said...

Concordo, Miguel! As coisas mais simples, gestos ou palavras são tantas vezes carregadas de simbologia!

Lamento só agora responder ao teu afectuoso comentário!

Bom fim-de-semana!

Miosotis said...

Estratégico não é... se insconsciente, não sei|! Difícil 'Oliver Pickwick'!

Repensar a vida perante acontecimentos que nos 'apanham', sim com certeza!

Sensibilizada pelo teu amistoso olhar em 'fragmentos'! Lamento só agora responder.

Um beijo

Miosotis said...

'O silêncio é essencial à música...'- silêncio também é música, 'Wood'!

Os primeiros homens sentiram, em determinado momento, necessidade de comunicar pela palavra!

As palavras podem ser ricas ou pobres/limitativas na simbólica dos afectos, conotativas na perspectiva literária, 'armas' na exteriorização de ideias...

Quanto à consciência, não há dúvida que é algo de bem profundo! Inatingível!

Sensibilizada pelo teu olhar 'diferente' em 'fragmentos'! Lamento só agora responder.

Miosotis said...

Sensibilizada pelo teu olhar 'amistoso' em 'fragmentos' 'M'!

Se te identificas com o que escrevi... talvez não esteja tão sozinha!

Há sensibilidades que 'se tocam'... não muitas, raras e belas 'excepções'!

Lamento só agora responder.

Um abraço,

Miosotis said...

São flores raras, actualmente... miosótis!
Mas lindamente singelas, 'gata verde'!

Sensibilizada pelo teu olhar agradado em 'fragmentos'! Lamento só agora responder.

Bom fim-de-semana!

Um beijo