Friday, April 11, 2008

Momentos...






Flower on the water

Yoshiko


"Mas há mais alguma coisa... Nessas horas lentas e vazias, sobe-me da alma à mente uma tristeza de todo o ser, a amargura de tudo ser ao mesmo tempo uma sensação minha e uma coisa externa, que não está em meu poder alterar."


Bernardo Soares, Livro do Desassossego,

Atica, 1972


Miosótis (pseudónimo)
fragmentos da noite, som do filme Youth without youth, Francis Ford CoppolaOsvaldo Golijov (banda sonora)

13.04.08
Copyright ©2008-fragmentosdanoitecomflores Blog, fragmentosdanoitecomflores.blogspot.com®

14 comments:

Menina do Rio said...

São só momentos...entre as horas lentas e vazias. As vezes a amargura explode e não podemos fazer nada. Apenas sentir e sentir.

Um beijo e boa semana

DarkViolet said...

Alterar a direcção, aglomerar círculos, observar rastos de imaginaçao no desassossego...(linda palavra)

EDUARDO said...

Vim deixar uma vírgula do meu carinho pra ti! Beijao teu!

Å®t Øf £övë said...

Moisotis,
Como eu costumo dizer, a vida é uma linha contínua pontuada de apenas alguns (poucos) momentos de felicidade.
Bjo.

literatura said...

Encantador poema.... bonitos sentimentos. gostei. eijoVoltarei em breve.
Um b

São said...

Momentos assim são comuns a todos nós, mas a beleza da flor na água alegram.nos.
Semana boa.

Tiago said...

Pensei em escrever sobre este(s) "momentos", transpor para palavras as reacções provocadas. Pensei em acrescentar algo, ou referir, sublinhar! Rever-me, ou inferir, melhor interpretar. Mas não, passo-o em desassossego, por não escrever o que vim para escrever.

Deixo um beijo, por em nada ter acrescentado...

Renato said...

Gostei muito do teu blog. Virei visitá-lo mais vezes. Se quiseres, visita o meu outro blog:
http://youtubehumor.blogspot.com

Nelita said...

:)
bjito

Daniel Aladiah said...

Horas lentas e vazias... e quando são rápidas e cheias de tédio?!
Um beijo
Daniel

Mateso said...

" Conquistei, palmo a pequeno palmo, o terreno interior que nascera meu.

Reclamei, espaço a pequeno espaço, o pântano em que me quedara nulo.

Pari meu ser infinito, mas tirei-me a ferros de mim mesmo."

Livro do Desassossego (15) Bernardo Soares.
Bj.

Um Momento said...

São momentos que nos invadem... por momentos... mas que fazem parte de nós... e são tão nossos

Deixo-te um beijo imenso!!!

(*)

herético said...

belo "curto-circuito" entre a alma e a mente...

Miosotis said...

Não sei o que dizer... continuo em 'momentos' de muito desassossego exterior e 're'encontro interior... as palavras fogem-me caladas...

Neste final de tarde chuvoso e frio, um luminoso raio de sol, furando nuvens espessas cinza-chumbo, veio poisar em minha janela! E o Sol bate com fulgor no monitor do meu computador.

Sensibilizada e muito, por todos os olhares poisados, com algum carinho, neste 'recanto' de fragmentos, onde nem sempre as flores 'sobrevivem'...

Um beijo afectuoso para todos os que por aqui passaram, tal 'peregrinos' de sentires.